Perdas, Luto e Superação

A liquidez das amizades

Um certo dia estava andando pela rua quando me deparei com alguém que faz parte dos meus amigos no facebook. A pessoa me olhou e não me cumprimentou. Foi como se eu fosse uma desconhecida qualquer. E perguntei-me: essa é a minha amizade de facebook? Fiquei me questionando qual o sentido dessas amizades e quantos desses amigos me frequentam ou falam no dia a dia comigo. Veja que há um paradoxo: desejo ser seu amigo, mas não quero ter vínculos reais. Dessa forma, os elos humanos tornam-se frágeis, injetando a liquidez nas relações.

Amizades VirtuaisZygmunt Bauman, no seu brilhante livro Amor Líquidopontua que as relações estão se tornando cada vez mais flexíveis. Elas são tecidas ou desmanchadas com facilidade gerando níveis de insegurança sempre maiores – não sabemos mais manter os laços a longo prazo. São relações liquidas.

Não estou dizendo que não há amizades virtuais sólidas. Sei que elas também existem. Porém, são pessoas que eram amigos reais e hoje também são virtuais. Pouquíssimos são os amigos virtuais que se tornam reais.

Essas amizades parecem feitas sob medidas para o líquido cenário da vida moderna que detesta tudo que é sólido e durável. Ser amigo só no ambiente virtual parece ser menos custoso que se engajar em uma amizade sólida que implique na construção e manutenção dos vínculos.

As habilidades que concretizam as amizades no mundo real são evitadas, esquecidas ou até mesmo não aprendidas devido ao grande tempo que se dedica as amizades digitais. É justamente aqui onde mora o perigo. Quando desses sujeitos forem exigidos habilidades interpessoais reais, eles podem se sentirem ineptos, incomodados ou incapazes de superarem essas disciplinas exigidas, das mais óbvias às mais complexas, tais como o aperto de mão, olhar nos olhos, falar oi, abraçar e etc. Sem o chão concreto, podem mergulhar em uma depressão e até atentar contra a própria vida.

Precisamos refletir sobre a frouxidão dos nossos laços afetivos em detrimento das nossas relações reais. O que realmente importa?

Karoliny Lima Damasceno
Psicóloga – Teresina – Piauí
Perdas, Luto e Superação
www.karol.psc.br

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *